Damas da noite

(Marta Rodriguez)


Quais flores resistem semi/nuas
Ao frio de inverno
Sob a pálida lua que vem
Presenciá-las, na noite,
Sob a penumbra do inferno?

De difícil eflorescência diurna
Vêem-se virgens pétalas
A brotarem e abrirem-se no jardim
Da vida noturna. Flores angelicais...

...Inocentes florais que tem
Seus polens violados
Tornam-se fecundas amantes
Sob o mais terrível dos pecados.

Diante de uma vida marcante
Perdem a exuberância da infância e,
Diante de uma afloração acelerada,
A indolência faz-se presente e,
Necessária à sua sobrevivência...

Flores despidas de inocência
Fazem-se intimas damas da noite e,
Vítimas marcadas, sob o açoite
De qualquer ser despudorado...

Um comentário:

daufen bach. disse...

OLá minha cara Marta!
Sempre um prazer imenso te ler.
Conhecia as tua poesias sensuais,
nao sabia desse lado questionador
das causas sociais... Muitíssimos
Parabéns a ti. Teu poema está
maravilhoso!

daufen bach.